Para preparar a última Assembleia do Clero Diocesano realizada nos passados dias 23 e 24 de maio, foi elaborado um inquérito dirigido às comunidade e às pessoas em geral.

Nas respostas a este inquérito surgiram alguns desejos sobre a forma como os sacerdotes devem viver o seu ministério e também surgiram algumas críticas.

Dos desejos formulados salientamos: que o padre seja antes de mais anunciador do evangelho em linguagem simples e compreensiva para o mundo de hoje; que seja um homem de fé viva e oração intensa; que seja testemunha da alegria e da esperança; que seja motivador das boas relações humanas e da proximidade e dedicado às causas sociais.

Também nos foram apontadas algumas críticas, tais como: por vezes, desigualdade no tratamento das pessoas; falta de linguagem compreensiva; ocupado em muitas tarefas, algumas vezes, tem falta de tempo para o atendimento às pessoas; por vezes, falta de simplicidade no modo de viver. Pede-se espirito de pobreza de tal maneira que, sem faltar o essencial, se evite o supérfluo.

Agradecemos os pedidos que nos foram feitos para equilibrar a nossa vida espiritual com a vida pastoral.

Sabendo que a nossa vida tem de estar essencialmente voltada para a formação da fé, nem sempre é isso o que nos é pedido pelos fiéis e pelas comunidades; mas queremos assumir a nossa responsabilidade de educadores, propondo o caminho prioritário da formação e motivar as pessoas para ele.

Aceitamos a observação onde se nos pede para usarmos novas linguagens adaptadas aos desafios da nova evangelização.

Agradecemos a interpelação para sermos sábios e santos e propormo-nos colaborar com a Graça de Deus para percorrer esse caminho e aceitar a ajuda dos fiéis sobretudo pela cooperação pastoral e pela oração.  

Escutámos com atenção os apelos que nos são feitos para cultivar o melhor atendimento e proximidade às pessoas. Sabemos que esse é o caminho para responder ao pedido feito para dirigir, impulsionar, animar e construir a comunidade, como nos foi pedido.

Dentro do espirito da verdadeira caridade pastoral, rezai por nós para sermos cada vez mais padres segundo o Coração de Cristo, conforme o que nos foi pedido durante o Ano Sacerdotal. 

 

Conselho Presbiteral da Diocese da Guarda, 29. 06. 2012

publicado por dioceseguardacsociais às 09:47