Duas pinturas murais a fresco foram encontradas no interior da capela de S. Marcos, na aldeia de Carvalhal do Côa, Freguesia de Badamalos, no concelho do Sabugal, durante as obras de restauro dos retábulos.

Carlos Costa, gerente da empresa de conservação e restauro Atelier Samthiago, de Viana do Castelo, contou que os achados são “duas magníficas pinturas murais a fresco datadas, possivelmente, do século XV”.

O responsável explicou que a intervenção previa o tratamento de conservação e restauro da talha da capela, tendo os técnicos, no momento da desmontagem dos retábulos existentes, datados de meados do século XVIII, para reforço e consolidação das suas estruturas, detectado as pinturas que estavam “há largos séculos escondidas debaixo das estruturas retabulares”. “Apesar da passagem do tempo, as pinturas encontram-se em bom estado de conservação, sendo ainda possível uma leitura fiel dos originais”, disse, apontando que um dos painéis representará “a Santíssima Trindade” e o outro “o padroeiro da capela” S. Marcos.

“Os frescos encontrados são um elemento muito interessante, que vem valorizar o património histórico desta pequena capela e desta comunidade quase desconhecida. São, no entanto, também uma responsabilidade pastoral, porque é necessário preservar pinturas tão antigas e valiosas e ao mesmo tempo ensinar aos povos a sua importância”, disse ao Jornal A Guarda o padre Hélder Lopes. Acrescentou que “nem toda a gente valoriza este tipo de arte da mesma forma. Um arqueólogo, um historiador ou um artista plástico olha de forma diferente para este achado, quando comparado com um agricultor ou um pastor”.

O pároco de Badamalos adiantou que o gabinete de Arte Sacra da Diocese da Guarda está informado desde a primeira hora e os técnicos e o dono da empresa de conservação e restauro estão a fazer uma primeira análise dos murais, aguardando-se “a visita de historiadores e pessoas entendidas no assunto”.

O gerente da empresa de conservação e restauro relatou que as pinturas afresco são feitas em “cores ocres, vermelhos, não são cores exuberantes”. Reconheceu tratar-se de uma descoberta “muito importante, quer em termos regionais, onde escasseiam os vestígios de tal técnica, quer mesmo a nível nacional, dado o bom estado de conservação apresentado”.

Considera que o achado “mereceu a melhor atenção, quer por parte das gentes locais, quer da divisão de património da diocese da Guarda, devendo agora ser alvo de um estudo aprofundado, para caracterização e interpretação”. “As prioridades serão estudar devidamente as pinturas e, numa segunda fase, a decisão de recuperar ou não os frescos”, admitiu.

Carlos Costa disse ainda que as entidades responsáveis terão que encontrar uma solução “para a conjugação das diferentes estruturas - pinturas descobertas e retábulos - pois a montagem destes no seu local original, voltaria a ocultar as representações agora conhecidas”. “Recuperar e manter à vista é sempre problemático”, porque teria que ser alterada a colocação dos retábulos, observou.

A aldeia de Carvalhal do Côa pertence ao concelho e arciprestado do Sabugal. A capela dedicada a S. Marcos tem a sua festa litúrgica no dia 25 de Abril. A comunidade tem actualmente apenas 18 residentes, na maioria idosos e ligados aos trabalhos agrícolas para o próprio sustento, que receberam a notícia “com alegria”, por reconhecerem que o achado constitui “uma mais-valia para o lugar e para o concelho”.

O jornal A Guarda apurou que o estudo das pinturas prosseguirá, tal como o normal desenrolar dos restantes trabalhos de conservação e restauro.

As obras de preservação da talha dos três pequenos retábulos, iniciadas no dia 7 de Novembro, foram adjudicadas em Janeiro de 2011 àquela empresa de Viana do Castelo e têm o prazo de conclusão previsto para 23 de Abril de 2012.

 

 

 

publicado por dioceseguardacsociais às 14:25