D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, é o primeiro convidado de uma série de intervenções públicas que a Comissão Diocesana da Guarda das Comemorações do Centenário da Implantação da República vai promover, para assinalar acontecimentos de há 100 anos ligados à implantação da República que marcaram profundamente a nossa cidade.

A intervenção está marcada para dia 15 de Abril, às 21.00 horas, na sala da Assembleia Municipal da Guarda.

Neste programa de intervenções, a Comissão pretende lembrar o Bispo da Guarda de então, D. Manuel Vieira de Matos, figura marcante do Episcopado Português e seus mais directos colaboradores.

Os dois Seminários da Diocese da Guarda que foram encerrados pelos poderes públicos da República, tendo os respectivos edifícios sido retirados à diocese da Guarda, sua legítima proprietária, como aconteceu igualmente com o Paço Episcopal, é outro dos assuntos que será recordado.

O programa contempla uma abordagem de outras instituições de ensino da Igreja, designadamente o Colégio de S. Fiel, por onde passaram figuras marcantes da cultura e da ciência em Portugal.

Outro dos assuntos a tratar tem a ver com o debate de ideias que preencheu a imprensa da Guarda imediatamente antes e depois do cinco de Outubro de 1910.

A Comissão vai, também, reflectir com o público da Guarda a célebre, embora pouco conhecida, Lei de Separação de 1911 e suas consequências para a vida da Igreja em Portugal e para a sociedade portuguesa no seu conjunto.

“Pretendemos ajudar as pessoas da Guarda a terem dos acontecimentos de há 100 anos ligados à implantação da República uma compreensão mais ampla e desapaixonada, contribuindo, assim, para que as lições da História nos ajudem, quanto possível, a traçar os melhores rumos do futuro para a sociedade portuguesa” refere um comunicado da Comissão Diocesana das Comemorações do Centenário da Implantação da República.

Prémio Pessoa/2009, membro efectivo da Comissão Nacional organizadora das comemorações do 5 de Outubro de 1910, figura mediática muito conhecida do público em geral pela sua presença regular na Televisão e na Rádio, D. Manuel Clemente tem, acima de tudo, o mérito de ter dedicado, em grande medida, a sua larga carreira académica ao estudo aprofundado da sociedade portuguesa a partir dos tempos do Liberalismo.

Tem sabido, como ninguém, traduzir em linguagem muito acessível ao público em geral as grandes questões que são recorrentes em Portugal, ao longo dos últimos dois séculos, nomeadamente no que diz respeito à relação da sociedade civil com os poderes instituídos.

 

publicado por dioceseguardacsociais às 10:28