“O Ano Sacerdotal há-de servir para identificar as dificuldades e os caminhos mais adequados para as superar”, referiu D. Manuel Felício, na abertura das Jornadas de Formação do Clero da Diocese da Guarda, que estão a decorrer, desde o início desta manhã, no Seminário da Guarda. O Bispo da Guarda adiantou que as dificuldades aparecem dentro da própria Igreja, das comunidades, que por vezes sentem dificuldade em se adaptar às novas situações, e de um certo saudosismo que se vai apoderando dos fiéis. “Há dificuldades que emergem da sociedade e da cultura em que estamos inseridos e em que é difícil levar o Evangelho”, referiu o Prelado.

Na conferência da manhã, o Padre António Gomes Dias, Provincial dos Redentoristas, falou sobre “a dimensão evangelizadora e missionária do padre”. Olhando para os documentos da Igreja que abordam a Evangelização, o conferencista disse que “num mundo marcado pela indiferença religiosa é necessária uma nova evangelização”. E explicou: “entre nós há a preocupação da Igreja se reposicionar na sociedade, em que se assiste à saída silenciosa de gente que praticava e se vai afastando”. Sem receitas feitas, para a evangelização da sociedade actual, adiantou que “evangelizar é a vocação e a identidade da Igreja”.

Numa alusão clara à Mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2010, o Provincial dos Redentoristas disse que “é preciso evangelizar as pessoas de hoje” e “como o espaço é limitado, o espaço que nós não ocuparmos, alguém o vai ocupar”.

Na intervenção falou ainda na necessidade de reavivar convicções e motivações para a evangelização e missão. “Jesus Cristo o Primeiro evangelizador; o Espírito Santo o protagonista da evangelização; vocação e identidade da Igreja; Chamados e enviados; complementaridade carismática; causa do homem, causa de Deus”, foram algumas das pistas referidas tendo em vista a nova evangelização. “Todos temos o dever da nova Evangelização, todos somos responsáveis” referiu o Padre António Dias. Esta tarde será apresentado o tema “Dinamizadores da Missão Evangelizadora”.

Amanhã, 4 de Fevereiro, os trabalhos terão como ponto de partida o Simpósio Nacional do Clero, nomeadamente as propostas feitas pelo Beneditino alemão, Padre Anselm Grün, numa abordagem feita pelo Padre José Brito, da diocese da Guarda. As Jornadas terminam com a primeira apresentação de dados sobre a Assembleia Geral do Clero da Diocese da Guarda.

publicado por dioceseguardacsociais às 16:51